Fotografia e ansiedade – parte 2

23884121320_36b701562c_c.jpg

No último post listei alguns fatos que, na minha opinião, tornam a fotografia um imã para instabilidades mentais. Se me permitem, vou oferecer algumas dicas que podem ajudar um fotógrafo a não cair nestas armadilhas. Entendam este post como um alerta aos iniciantes, assim como um lembrete para mim mesmo, já que nunca estamos completamente livres deste mal.

Estou partindo do princípio que a sua ansiedade tem origens nas dificuldades da carreira fotográfica. A lógica é simples: ao deixar a sua carreira mais previsível e fluente de trabalhos, a ansiedade vai diminuir. Nada disso vai ajudar se a causa do transtorno é química ou tem outros motivos. Por isso começo com o mais importante:

  • Se você já sofre de ansiedade, procure um psiquiatra. Não menospreze o conhecimento de um especialista tentando escapar deste mal sozinho. Você confiaria em seu médico para fazer as fotos do seu casamento ou da sua empresa? Então não confie no blog de um fotógrafo para te dizer como sair da ansiedade: procure ajuda. Preconceitos com a saúde mental pertencem ao século XIX, não a 2019.

 

  • Tenha muita paciência no começo de carreira, fotografia só é fácil na aparência. Manter-se fotógrafo com o passar das décadas é uma tarefa árdua. Os primeiros anos apresentam muitas dificuldades e servem como um filtro cruel, retendo talentos incríveis pelos motivos mais vulgares. Não tenha tanta pressa em largar um emprego fixo, espere até conhecer melhor o mercado e sua sazonalidade. Se possível, seja assistente de um fotógrafo experiente que você admire.

 

  • Busque de maneira gradual e constante uma maior formalização do seu trabalho: tenha um cnpj, endereço, pague o inss, busque profissionais de contabilidade, assistentes fixos e, se possível, uma equipe de vendas.

 

  • Tenha metas bem definidas e realistas. Expectativas sob controle, ansiedade sob controle.

 

  • Aja como um profissional atendendo seu cliente como gostaria de ser atendido. O tempo dos fotógrafos artistas intocáveis acabou, pé-no-chão, por favor. Entregue as fotos no prazo, responda emails rapidamente, não deixe mensagens sem ler no whatsapp, proporcione uma boa experiência para seu cliente, faça análises constantes de seu mercado, vista-se de acordo à ocasião, entre outros. Quanto mais profissional você parecer, mais irá se sentir. Com o tempo, a confiança artificial se naturaliza.

 

  • Aprenda a lidar com a volatilidade do mercado: não contraia grandes dívidas quando o mercado está aquecido, nem se desespere nas baixas.

 

  • Controle seus custos! Em tempos bicudos controlar os gastos é tão ou mais importante que correr atrás de trabalhos. Tome um cuidado especial com a compra de equipamentos: adquira o mínimo necessário para atender bem seu cliente, não o equipamento que você quer ter. Quando necessário, alugue. Isso também vale para estúdios fotográficos.

 

  • Não entre em guerra de preços com seus concorrentes: fotografia não é sabão em pó! Além da pressão insuportável que essa estratégia traz, os melhores preços tendem a atrair os piores clientes. E quem gosta de ser mal pago para lidar com gente chata? Isso não significa que você deva atender somente às classes mais altas da sociedade; até quem possui verbas limitadas sabe que não se consegue o melhor serviço pelo menor valor. Cobre um preço justo dentro do intervalo que seu cliente está disposto a pagar.

 

  • Busque a crítica adequada: não adianta perguntar a opinião da sua mãe, ela não é (e nem deveriam ser) imparcial. Do mesmo modo, não busque a opinião de qualquer um em fóruns de fotografia, onde o parecer crítico é mais valorizado que a opinião sincera. Os extremos não funcionam. Tente encontrar pessoas que se importem com sua evolução e tenham conhecimento da nossa área, como um amigo ou um professor. Saiba, acima de tudo, quem é seu cliente e quais são suas preferências. De um jeito ou de outro, saiba que você não é o melhor fotógrafo do mundo.

 

  • Pelo caráter relativo da arte, saiba que um mau-fotógrafo/bom-vendedor tem mais futuro que um bom-fotógrafo/mau-vendedor. Procure saber mais sobre como vender seu peixe. Não caia na armadilha “a minha arte vai falar por si”.

 

  • Ao contrário do que você aprendeu na sessão da tarde, diminua as decisões instintivas, substituindo-as pela coleta e análise de dados. Em caso de acerto, você contou com os próprios méritos, não com a sorte. Em caso de erro, terá critérios para avaliar o problema. Sei que é quase impossível termos acesso a todos os dados necessários para uma decisão 100% racional, mas o mantra “trust your feelings” não é a melhor estratégia para se conduzir um negócio. Deixe-o para quando precisar destruir uma estrela da morte com sérios problemas de projeto.

 

  • Não se engane em relação às redes sociais. Para muitos o instagram é uma ferramenta fundamental para encontrar clientes. Mas o tempo que você gasta vendo fotos de viagens na indonésia ou stalkeando o ex não é exatamente tempo produtivo de trabalho, é? Perda de tempo em redes sociais traz dois enormes problemas: inveja e procrastinação. E o pior é que estamos todos à mercê. O meu mal são os canais de ciências e basquete do youtube. Qual é o seu?

 

  • Conecte-se com mais pessoas, de parceiros de trabalho a clientes e até concorrentes. Ter mais informações sobre o mercado em que atua é fundamental, e nada como uma mesa de bar para se colocar a par do que anda acontecendo. Em relação aos concorrentes, saiba que nem todo capitalismo é predatório; doar é também receber.

 

  • Saboreie as vantagens dos horários flexíveis: vá para praia em uma quarta-feira, brinque com seu filho em horário comercial, vá ao cinema e seja o único na sala. Se não tomar cuidado, seu trabalho flexível se tornará o mais inflexível de todos.

 

  • Mantenha-se ativo nos intervalos de trabalhos. A fotografia autoral é um combustível limpo para o ânimo.

 

  • Nunca, JAMAIS pare de estudar. Você pode complementar informações com vídeo-aulas, mas tente fazer pelo menos um curso presencial por ano. Além do conteúdo, você pode conhecer mais pessoas na mesma situação que a sua, expandir a rede de contatos, conhecer possíveis parceiros, sócios e até clientes! Acredito também que a autodidática é um conceito superestimado que leva a caminhos tortuosos e tempos de aprendizagem dilatados. Nada como um bom professor para colocar o aluno no rumo certo e inflar sua moral.

 

E aqui, com este final que mais parece merchandising para workshops, eu finalizo por ora com o que aprendi nos últimos anos lidando com a sombra da ansiedade. Termino com uma frase de um livro interessante, transformado em um filme hollywoodiano medíocre, que descreve bem a atitude ideal em um mundo em constante evolução: “Movimento é vida”.

ezgif.com-resize

Você passou por isso e tem mais dicas? Escreva nos comentários ou me envie um email!

Anúncios

2 comentários em “Fotografia e ansiedade – parte 2”

  1. Dica boa, mas difícil de fazer nesses tempos de crise: abra mão de clientes tóxicos. Pagam pouco, exigem muito, criam situações tensas para firmar autoridade e controle.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s